Unidade Campinas: (19) 2515-3600 | Unidade Vinhedo: (19) 3876-1494 | Unidade Sorocaba: (15) 3357-6329

Como falamos no artigo anterior, olho vermelho é uma queixa muito comum entre os proprietários de pets (cães e gatos) e não pode ser ignorado.

Outra das principais causas do olho vermelho é o Glaucoma. Anteriormente descrito como elevação da pressão intra-ocular, hoje o descrevemos como uma neuropatia optica multifatorial, que se não diagnosticada e medicada, leva à cegueira.

O Glaucoma pode ser primário ou secundário a outras enfermidades oculares, como a Uveíte, a catarata e tumor intra-ocular. As principais raças acometidas são Cocker Spaniel, Beagle, Basset Hound e Poodle.

O que acontece quando meu pet tem glaucoma?

Na fase inicial ocorre um aumento da pressão intra-ocular, e com isso, a função das células da retina (responsáveis pela visão diurna e noturna) também diminui. Até aqui, se conseguimos medicar e controlar a pressão intra-ocular, o paciente consegue recuperar alguma visão. Quando esse processo avança, temos também perda das células do nervo óptico e escavação da papila, que leva a uma interrupção da transmissão elétrica entre a retina e o cérebro (cegueira). Nessa fase da enfermidade não se consegue recuperar a visão, mas mesmo assim temos que medicar esses pacientes para que eles não sintam dor e possam ter qualidade de vida.

Quais são os sintomas?

Na fase inicial o paciente ainda pode ser visual, mas apresenta olho vermelho, pupila dilatada (midríase), reflexo pupilar lento, pode apresentar olho azulado (edema corneal).

Em uma fase intermediária ocorre uma diminuição da visão, edema endotelial, aumento de tamanho do olho e luxação de lente (cristalino).

Na fase avançada o paciente já demonstra sinais de cegueira completa, midríase total, degeneração vítrea, córnea opaca e buftalmia (olho muito grande).

Como é feito o diagnóstico?

Para um diagnóstico preciso, entre outros exames, realizamos a fundoscopia para avaliar o grau de acometimento da retina e do nervo óptico e aferimos a pressão intra-ocular. Com isso conseguimos fechar o diagnóstico e indicar o tratamento adequado a cada paciente.

O tratamento pode ser apenas clínico (colírios), cirúrgico, laser ou até mesmo uma combinação entre eles.

 

Se você e seu veterinário suspeitarem que esse possa ser o caso do seu cão, lembrem-se que vocês podem contar com os profissionais da VESP para o diagnóstico, tratamento e acompanhamento do glaucoma e demais patologias oftalmológicas.

Agende uma consulta Encaminhe um paciente

Outros artigos sobre Oftalmologia Veterinária:

Cirurgia de catarata em cães

Quem tem um cão com catarata, com certeza já ouviu alguém (amigo, parente ou, até mesmo, médico veterinário) dizer que o animal já está muito velho para operar, que não vai aguentar a anestesia, que a cirurgia não funciona e que não vale a pena. Muitos, infelizmente,...