Unidade Campinas: (19) 2515-3600 | Unidade Vinhedo: (19) 3876-1494 | Unidade Sorocaba: (15) 3357-6329

A doença renal crônica é definida como enfermidade renal que está presente de meses a anos. Os termos doença renal crônica (DRC) e insuficiência renal crônica (IRC) se referem à mesma condição. Há muitas causas diferentes de DRC, contudo, no momento que o animal apresenta sinais de doença renal a causa pode não ser mais aparente. Algumas possíveis causas de DRC incluem: malformação congênita dos rins (defeitos de nascimento), infecção bacteriana crônica dos rins (pielonefrite), pedras nos rins (urolitíase), pressão arterial elevada (hipertensão), doenças associadas com o sistema imunitário (glomerulonerite, lúpus sistémico) ou progressão da doença renal aguda.

A unidade funcional do rim é chamado de néfron.  Cada rim contém milhares de néfrons. Na DRC ocorre um comprometimento progressivo e irreversível de mais de 75% dos néfrons funcionantes do animal.

Como explicamos neste outro artigo, os rins desempenham importantes funções no organismo. Sendo assim, os sinais clínicos da DRC podem se apresentar de forma bastante variada. Os sinais podem ser graves ou sutis. Apesar da natureza crônica da doença, algumas vezes, sinais aparecem de repente.

 

Sintomas mais comuns da doença renal crônica em cães e gatos

Os sinais mais comuns de DRC incluem aumento do volume de ingestão de água e excreção de urina, desidratação, apetite caprichoso, perda de peso, vômitos, diarreia e apatia. Alguns animais podem apresentar cegueira subta em decorrência do aumento da pressão arterial, palidez de mucosas decorrentes da anemia e mais raramente fraturas causadas por enfraquecimento ósseo. Podem-se observar também infecções recorrentes em consequência de se tratar de uma afecção crônica.

 

Como é feito o diagnóstico da Doença Renal Crônica?

O diagnóstico da DRC é feito com base nos sinais, exame físico e exames de sangue e urina, mas outros testes podem ser realizados para procurar uma causa subjacente para a DRC. A Sociedade Internacional de Interesse Renal (IRIS) desenvolveu um método para estimar os estágios da DRC. Estágios são numerados de 1 a 4, em que um é o menos grave e quatro é o mais grave. Quanto maior o número da fase também geralmente corresponde ao maior número de sintomas observados no animal de estimação.

 

 

Tratamento da DRC

O protocolo de tratamento do animal com DRC é individual e é baseado no estagiamento da DRC segundo o IRIS. Por ser uma afecção progressiva e irreversível, os objetivos principais do tratamento visam melhorar a qualidade de vida do animal com o tratamento direcionado aos sinais clínicos e alterações laboratoriais que o animal apresenta. Outro objetivo é retardar a progressão da velocidade de evolução da DRC.

O tratamento conservativo consiste em todas as medidas clínicas (remédios, modificações na dieta e estilo de vida) que podem ser utilizadas para retardar a piora da função renal, reduzir os sintomas e prevenir complicações ligadas à doença renal crônica. Apesar dessas medidas, a doença renal crônica é progressiva e irreversível. Porém, com o tratamento conservativo adequado é possível reduzir a velocidade desta progressão ou estabilizar a doença. Esse tratamento deve ser iniciado no momento do diagnóstico da doença renal crônica e mantido em longo prazo, tendo um impacto positivo na sobrevida e na qualidade de vida desses pacientes. Quanto mais precoce começar o tratamento maiores chances para preservar a função dos rins por mais tempo.

Quando a doença renal crônica progride até estágios avançados apesar do tratamento conservativo, o paciente deve ser hospitaluzado para que seja instituída uma terapia mais intensiva na tentativa de estabilizar o quadro. O tratamento durante a internação é baseado na administração de fluidoterapia intravenosa e em alguns casos faz-se necessária a realização de tratamento de dialise.

 

As principais medidas do tratamento conservativo são:

  • Manutenção da hidratação
  • Controle da adequado da pressão arterial
  • Diminuição da perda de proteínas pelos rins
  • Uso de medicações que melhorem alguns sintomas, principalmente as alterações gastroentéricas da DRC como os vômitos
  • Tratamento da anemia
  • Tratamento dos distúrbios ósseos e minerais associados à doença renal crônica
  • Tratamento da acidose no sangue
  • Manutenção de dieta adequada e controle da perda de peso

 

Sendo assim, é de extrema importância o diagnóstico precoce da doença, o entendimento dos fatores que levam a sua progressão para o início do tratamento mais adequado aos sinais manifestados pelo paciente. Apesar de muitas terapias estarem disponíveis, nenhuma delas impede a progressão da doença. Devido a isso se deve realizá-las de forma correta, para que essa progressão seja o mais lenta possível e que o paciente tenha uma melhor qualidade de vida.

nefrologia veterinária campinas vinhedo Lilian Stefanoni Ferreira Blumer

Autora do texto:

Profa. Mestre Lilian Stefanoni Ferreira Blumer

 

 

Se você e seu veterinário decidirem que seu pet precisa de um acompanhamento especializado em nefrologia e urologia veterinária, lembrem-se que vocês podem contar com os profissionais da VESP.
Agende uma consulta ou exameEncaminhe um paciente

 

 

Outros artigos sobre Nefrologia e Urologia Veterinária:

O que é insuficiência renal (nefrologia veterinária)

A insuficiência renal é um diagnóstico que expressa uma perda maior ou menor da função renal. Qualquer desvio funcional, de qualquer uma das funções renais, caracteriza um estado de insuficiência renal. Mas, somente a análise dessas funções nos permite afirmar que há...

Avaliação da função renal em cães e gatos

No exame do trato urnário é necessario fazer uma avaliação clínica e laboratorial completa. O primeiro passo é avaliação clínica do animal por meio da realização do exame físico geral. Durante o exame físico geral do animal nefropata podem ser encontradas algumas...