Unidade Campinas: (19) 2515-3600 | Unidade Vinhedo: (19) 3876-1494 | Unidade Sorocaba: (15) 3357-6329

Dermatofitoses são micoses superficiais que acometem os animais domésticos como cães, gatos, coelhos, equinos, ruminantes e mais uma variedade de animais. São causadas por fungos chamados dermatófitos, que são fungos queratinofílicos, que possuem afinidade com a queratina presente nos pelos, unha, e no estrato córneo da pele, infectando estes tecidos. Microsporum canis, Microsporum gypseum e Tricophyton mentagrophytes são os fungos dermatófitos responsáveis pela dermatofitose em cães e gatos. Trata-se de uma doença infecciosa, transmissível entre os animais e também uma zoonose, ou seja, que tem o potencial de ser transmitida ao homem.

dermatofitose

Que raças estão mais predispostas à dermatofitose?

A dermatofitose é uma doença de pele de ocorrência comum, que afeta principalmente cães e gatos jovens, mas pode ocorrer em qualquer fase da vida. Algumas raças de cães e de gatos são mais predispostas a infecção por estes fungos, como cães da raça Yorkshire Terrie, Jack Russel Terrier e felinos da raça Persa. Animais imunocomprometidos também são mais propensos a apresentar dermatofitose.

Quais as características da dermatofitose

As lesões provocadas por este fungo podem ter distribuição localizada, multifocal ou generalizada, e se apresentam como falhas de pelos geralmente circulares, policíclicas, podendo assumir contornos irregulares e difusos. Além da falha de pelos, também estão presentes escamas, crostas, eritema, e pápulas. Os animais podem apresentar prurido de intensidade variável. Quando as unhas são acometidas, estas podem se apresentar deformadas e quebradiças. Felinos podem apresentar um padrão de lesão chamado dermatite miliar, onde lesões papulares puntiformes e crostosas podem ser observadas por todo o corpo, principalmente próximo a região cervical.

 

 

Granulomas dermatofíticos ou pseudomicetomas são formas incomuns de dermatofitose, na qual os fungos colonizam a derme e hipoderme, formando nódulos subcutâneos firmes que podem ulcerar e drenar exsudato purulento. Outra forma de manifestação atípica da dermatofitose são os kérions, nódulos alopécicos, eritematosos e exsudativos na pele.

Portadores assintomáticos, ou seja, animais que apresentam o fungo na pele e pelame, sem contudo apresentar lesões de pele, podem ocorrer principalmente em gatos de pelo longo, que podem servir como fonte de disseminação do fungo no ambiente e para outros animais.

O diagnóstico da dermatofitose pode ser realizado através da inspeção das lesões de pele pela lâmpada de Wood, pelo raspado de pele e principalmente, pela cultura fúngica, que é o exame mais confiável e apropriado para o diagnóstico desta dermatopatia.

Tratamento da dermatofitose

O tratamento é realizado com o uso de antifúngicos via oral, associado à terapia tópica, como: pomadas, shampoos, condicionadores. O tratamento é individualizado a cada caso de acordo com a manifestação clínica de cada paciente, e deve ser realizado até que se obtenha uma cultura fúngica negativa para evitar recidivas da doença.

O ambiente em que animal vive também demanda cuidados, pois esporos dos fungos podem se desprender do pelame do animal e contaminar o ambiente. Hipoclorito de sódio pode ser utilizado para desinfecção do ambiente. Roupinhas, caminhas, escovas, caixas de transporte também devem ser higienizados semanalmente até a cura do animal.

Com o tratamento correto e o controle apropriado do ambiente os animais se recuperam completamente. Entretanto, esta doença pode se tornar um problema, com altos índices de recidivas em canis e gatis, onde o número de animais é geralmente grande e onde o contato entre eles é estreito.

 

 

Dermatofitose: ANTES do tratamento
Dermatofitose: DEPOIS do tratamento
Se você e seu veterinário suspeitarem que esse possa ser o caso do seu cão, lembrem-se que vocês podem contar com os profissionais da VESP para o diagnóstico e tratamento da piodermite e demais doenças dermatológicas.

 

 

Agende uma consultaEncaminhe um paciente

 

 

Profa. Mestre Camila Domingues de Oliveira:Médica Veterinária formada pela Universidade Federal de Minas Gerais em 2004. Mestre em Clínica Médica com ênfase em Dermatologia pela FMVZ/USP em 2010. Pós graduada em Curso de Especialização de Dermatologia Veterinária pela FMVZ/USP e homologado pela Sociedade Brasileira de Dermatologia Veterinária em 2007. Membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia Veterinária desde 2006. Palestras e aulas proferidas em congressos, cursos de graduação e especialização em clínica médica e em dermatologia veterinária. Artigos científicos publicados em congressos e em revistas científicas.

 

 

 

Outros artigos sobre Dermatologia Veterinária:

Testes Alérgicos em animais com Dermatite Atópica: quando realizar

Antes de mais nada é preciso esclarecer que os testes alérgicos, ao contrário do que muitos acreditam não são indicados para estabelecer o diagnóstico de dermatite atópica. Isso porque, os testes alérgicos são baseados na detecção de anticorpos da classe IgE, que...

Dermatite Psicogênica Felina

A alopecia psicogênica é um distúrbio comportamental que se manifesta através do arrancamento ou lambedura dos pelos, provocada por toalete (grooming) excessiva ou inadequada. Cuidados excessivos de toalete fora de contexto pode ser um...

Sarna Demodécica

A sarna demodécica, também conhecida como demodicidose ou sarna negra, é uma doença parasitária causada pela proliferação excessiva de ácaros do gênero Demodex sp na pele. Este ácaro é considerado como parte da microbiota cutânea, ou seja, todos os cães os possuem em...

Combatendo a Inimiga Pulga

O que são as pulgas? As pulgas são pequenos insetos que parasitam cães, gatos, além de outros animais. Existem várias espécies de pulgas, mas Ctenocephalides felis felis, Ctenocophalides canis e Pulex spp são as espécies de maior importância em cães e gatos,...

Piodermite em cães

Piodermite, também chamada foliculite bacteriana, é uma dermatite causada por bactérias do gênero Staphylococcus, sendo que dentre este grupo, a bactéria mais frequentemente associada aos quadros de piodermite é a Staphylococcus...

Alergia em cães: o meu cão é alérgico a que?

A dermatite atópica ou alergia a inalantes ambientais é uma doença de ordem genética, que provoca inflamação na pele e coceira constante, de variados graus de intensidade, que não só prejudica a qualidade de vida dos animais como incomoda...

Alergias: Quando o cão não para de se coçar…

Uma das principais causas de coceira nos cães e nos gatos são os processos alérgicos, que são responsáveis por mais de 70% do atendimento dermatológico. Além dos processos alérgicos, outras doenças de pele podem desencadear coceira, como...

Cuidando da Pele do seu Animal

Banhos e Demais Cuidados para manter a saúde da pele Neste post vamos dar algumas dicas para ajudar a manter a pele do seu animal sempre saudável: 1. Controlando pulgas e carrapatos: Pulgas e carrapatos além de serem transmissores de...