Unidade Campinas: (19) 2515-3600 | Unidade Vinhedo: (19) 3876-1494 | Unidade Sorocaba: (15) 3357-6329

Banhos e Demais Cuidados para manter a saúde da pele

Neste post vamos dar algumas dicas para ajudar a manter a pele do seu animal sempre saudável:


1. Controlando pulgas e carrapatos:

Pulgas e carrapatos além de serem transmissores de doenças, causam coceira, desconforto e desequilíbrio na pele do animal, favorecendo o aparecimento de lesões de pele. Por isso, utilize mensalmente, produtos veterinários específicos para este fim. Converse com seu Veterinário e verifique com ele qual o produto e a frequência de aplicação mais indicado para seu pet.

2. Banhos

Frequência:
Não existe uma frequência ideal de banhos pré-estabelecida, mas em geral, não se recomenda mais que um banho por semana com fins de higienização. Ou seja, o banho pode ser dado uma vez por mês, a cada quinze dias, mas nunca mais que uma vez por semana, com exceção nos casos de tratamento, sob recomendação do Médico Veterinário.

Produtos:
Devem ser utilizados somente sabonetes, shampoos e condicionadores de uso veterinário, de preferência de boas marcas. Não utilize produtos de uso humano. Os produtos neutros, hipoalergênicos são os mais recomendados. Não utilizar : sabão de coco, sabão em pedra, anil. Produtos que contenham medicamentos somente devem ser usados sob indicação veterinária, para tratamento de doenças de pele.

Cuidados na hora do banho:
• Deve-se tomar cuidado com os olhos, orelhas, vulva, pênis, ânus e boca, pois são áreas mais sensíveis e facilmente irritáveis.
• Esfregue o pelame do animal sempre no sentido do crescimento dos pêlos, ou seja, da cabeça em direção a cauda, pois alguns cães, principalmente os de pêlo curto, podem apresentar foliculite pós-banho, caso este sentido não seja respeitado. Esfregue o animal somente com as pontas dos dedos com movimentos delicados, nunca com as unhas ou com escovas agressivas.
• Temperatura: a temperatura da água e do secador devem ser mornos a frios. Água quente e jatos de ar quentes podem irritar a pele. Adequar a temperatura da água, secador e local do banho de acordo com as condições climáticas, por exemplo: em dias quente e ensolarados, pode-se dar banho com água mais fria, no quintal e deixar animal secar ao sol; em dias com temperaturas mais amenas, dar banho em locais fechados, com água e temperatura do secador morno.

3. Escovação:

A escovação deve ser realizada no sentido do crescimento dos pêlos, com movimentos delicados, evitando-se contato próximo com a pele, e sim somente com os pêlos. Devem-se evitar escovas com cerdas de arame, preferindo as de cerdas de plástico, menos agressivas. A frequência não deve exceder uma vez por semana. O excesso de escovação ou escovação de maneira inadequada pode acarretar problemas de pele.

4. Roupinhas e acessórios:

• Não utilizar roupinhas, lacinhos, fitinhas, gravatinhas ou coleiras muito apertadas, pois podem levar a dermatites e lesões de pele.
• Cuidado também com o uso excessivo de roupinhas, principalmente em dias mais quentes, reserve as roupinhas de lã, tricô ou soft somente para dias mais frios. Caso deseje utilizar roupinha em dias mais quentes, opte por roupinhas leves, como de malha, algodão.

5. Cuidados com as orelhas:

• Durante o banho, coloque chumaço de algodão hidrofóbico protegendo a orelha do animal, a fim de impedir a entrada de água na orelha, que pode levar a otite. Use um chumaço de algodão grande o suficiente para ser retirado com facilidade, sem que haja risco de ficar retido no interior da orelha. Não esqueça de removê-lo após o banho.
• Não arranque os pêlos da entrada da orelha, este procedimento só deve ser realizado em situações específicas, segundo o julgamento do Médico Veterinário.
• Não aplique na orelha do animal nenhum produto que não seja de uso veterinário. Pergunte ao seu Médico Veterinário sobre a necessidade, qual produto e a frequência mais apropriada para o uso de higienizadores de orelha para seu animal.

6. Alimentação

• Alimente seu animal com uma ração de bom padrão, pois uma ração de boa qualidade é capaz de suprir todas as necessidades nutricionais que seu animal precisa para ter um pelame bonito e saudável.
• Suplementos alimentares só devem ser fornecidos segundo indicação do médico veterinário. Em casos de dúvidas sobre qual ração escolher, peça ajuda do seu médico veterinário.

7. Exposição ao sol

A exposição ao sol é saudável, e está associada com a metabolização de vitamina D pela pele e na manutenção de um pelame saudável, mas o excesso pode ser prejudicial, principalmente para cães de pele e pelame claro. Se seu animal apresenta pele e pelame claro, restrinja a exposição solar entre as 10h e 16h da tarde, horário de maior ensolação, quando esta restrição não for possível utilize protetores solares. O excesso de exposição solar a longo prazo, pode levar problemas de pele como dermatite actínica e câncer de pele.

Seguindo estas simples dicas você pode contribuir para a manutenção de uma pele e pelame bonito e saudável.

 

Se seu pet apresenta alguma das doenças mencionadas aqui, consulte o seu veterinário. Se você e seu veterinário decidirem que chegou a hora do seu pet ser submetido a um exame ou atendimento especializado, lembrem-se que vocês podem contar com os profissionais da VESP. Podem nos procurar para a realização de exames ou para o atendimento especializado em dermatologia veterinária ou outras especialidades.

 

 

 

Profa. Mestre Camila Domingues de Oliveira:Médica Veterinária formada pela Universidade Federal de Minas Gerais em 2004. Mestre em Clínica Médica com ênfase em Dermatologia pela FMVZ/USP em 2010. Pós graduada em Curso de Especialização de Dermatologia Veterinária pela FMVZ/USP e homologado pela Sociedade Brasileira de Dermatologia Veterinária em 2007. Membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia Veterinária desde 2006. Palestras e aulas proferidas em congressos, cursos de graduação e especialização em clínica médica e em dermatologia veterinária. Artigos científicos publicados em congressos e em revistas científicas.

 

 

Agende uma consultaEncaminhe um paciente

 

 

Outros artigos sobre Dermatologia Veterinária:

Testes Alérgicos em animais com Dermatite Atópica: quando realizar

Antes de mais nada é preciso esclarecer que os testes alérgicos, ao contrário do que muitos acreditam não são indicados para estabelecer o diagnóstico de dermatite atópica. Isso porque, os testes alérgicos são baseados na detecção de anticorpos da classe IgE, que...

Dermatite Psicogênica Felina

A alopecia psicogênica é um distúrbio comportamental que se manifesta através do arrancamento ou lambedura dos pelos, provocada por toalete (grooming) excessiva ou inadequada. Cuidados excessivos de toalete fora de contexto pode ser um...

Sarna Demodécica

A sarna demodécica, também conhecida como demodicidose ou sarna negra, é uma doença parasitária causada pela proliferação excessiva de ácaros do gênero Demodex sp na pele. Este ácaro é considerado como parte da microbiota cutânea, ou seja, todos os cães os possuem em...

Combatendo a Inimiga Pulga

O que são as pulgas? As pulgas são pequenos insetos que parasitam cães, gatos, além de outros animais. Existem várias espécies de pulgas, mas Ctenocephalides felis felis, Ctenocophalides canis e Pulex spp são as espécies de maior importância em cães e gatos,...

Dermatofitose em Cães e Gatos

Dermatofitoses são micoses superficiais que acometem os animais domésticos como cães, gatos, coelhos, equinos, ruminantes e mais uma variedade de animais. São causadas por fungos chamados dermatófitos, que são fungos queratinofílicos, que...

Piodermite em cães

Piodermite, também chamada foliculite bacteriana, é uma dermatite causada por bactérias do gênero Staphylococcus, sendo que dentre este grupo, a bactéria mais frequentemente associada aos quadros de piodermite é a Staphylococcus...

Alergia em cães: o meu cão é alérgico a que?

A dermatite atópica ou alergia a inalantes ambientais é uma doença de ordem genética, que provoca inflamação na pele e coceira constante, de variados graus de intensidade, que não só prejudica a qualidade de vida dos animais como incomoda...

Alergias: Quando o cão não para de se coçar…

Uma das principais causas de coceira nos cães e nos gatos são os processos alérgicos, que são responsáveis por mais de 70% do atendimento dermatológico. Além dos processos alérgicos, outras doenças de pele podem desencadear coceira, como...